sexta-feira, 4 de junho de 2010

DADOS ESTATÍSTICOS DA IGREJA PRESBITERIANA EM PERNAMBUCO


INTRODUÇÃO

A tabela acima foi desenvolvida a partir da necessidade de se descobrir quais são as áreas de atuação da Igreja Presbiteriana do Brasil em Pernambuco. Por esta razão foram coletados dados existentes nos sites do IBGE, IPB, Anuário da LPC e tesouraria do SC.
A presente pesquisa pretende atender a pergunta: Quais cidades de Pernambuco ainda não dispõem de uma comunidade presbiteriana? Respondo esta pergunta apresentando nossa pesquisa acima, bem como as informações passadas logo a seguir.
Entendo que esta é uma pequena contribuição, que apesar de que nem de longe tem a pretensão de ser exaustiva, servirá para a evangelização do nosso estado. Compreendo ainda as diversas situações que se pode passar em uma comunidade presbiteriana, quanto a prioridades de cada um, ainda que estando em um campo missionário. Mas acredito que esta deva ser a nossa preocupação, a plantação de igrejas e salvação de almas. Se ainda não é a visão da igreja, espero sinceramente que seja no futuro. Acredito que podemos fazer algo, ainda que seja de forma pequena, mas todos podem fazer algo.
Por esta razão, convido-o a observar estes dados e se juntar a mim nesta empreitada. Que Deus nos ajude e finalmente nos desperte para tão importante tarefa. Amém.

Rev. Fabiano Ramos Gomes
Pastor Evangelista do Campo Missionário de Ouricuri-PE

DADOS ESTATÍSTICOS DA IGREJA PRESBITERIANA EM PERNAMBUCO

CONTAGEM SITE DA IPB E SENSO IPB 2008
 Cidades com Comunidades Presbiterianas 65
 Congregações Presbiterianas 45
 Cidades sem presença Presbiteriana 120

* OBSERVAÇÃO GERAIS: Das 65 cidades relacionadas com presença presbiteriana 43 comunidades são congregações de igrejas, congregações presbiteriais ou campo missionários.
* Foram identificadas 98 igrejas organizadas, sendo esta a situação por grupos:
- Cidades com apenas uma igreja: 24
- Cidades com duas igrejas: 05
- Cidades com três ou mais igrejas: 09
- Cidades com mais de 10 igrejas: 01

QUADRO GERAL DE ALCANCE PRESBITERIANO


ALÉM DOS NÚMEROS

Diante do presente quadro exposto acima, temos a seguinte situação no estado de Pernambuco:
 As igrejas estão basicamente concentradas nas regiões mais ricas do estado (Ex. Recife, Caruaru e Garanhuns e nas respectivas regiões);
 As cidades do interior constam com pouco desenvolvimento, sendo que, as mesmas são predominantemente evangelizadas por congregações e campos missionários;
 Das cidades que constam apenas uma igreja temos a seguinte conclusão: 6 Igrejas estão em cidades com mais de 60 mil habitantes; 8 igrejas estão em cidades com mais de 30 mil e 9 igrejas estão em cidades com menos de 30 mil habitantes. Quanto a este respeito o desenvolvimento em cidades pequenas é bastante variado.
 A única cidade com mais de 10 igrejas é a capital Recife;
 As cidades com mais de três igrejas são consideradas como Pólos Presbiterianos, pelas seguintes razões: pela antiguidade da evangelização; contribuição das instituições, como colégios e seminário e instituto bíblico e fator econômico.

CONCLUSÃO
Como ficou claro na exposição do presente trabalho, a nossa intenção é alertar as igrejas presbiterianas do estado de Pernambuco sobre o imenso desafio que ainda existe na evangelização de nossa região. Devemos reavaliar o trabalho como um todo. É realmente honroso reverenciarmos o trabalho de homens como o Dr. Butler, John R. Smith e tantos outros, mas ainda precisamos fazer história com a plantação de Igrejas. Todas as vezes que alcançamos uma cidade com o Evangelho Reformado, estaremos fincando marcos definitivos no alcance da redenção das almas dos eleitos, que precisam ainda conhecer verdadeiramente o Senhor Jesus Cristo.
É preciso que presbitérios, sínodos e igrejas locais se unam e incentivem organizações missionárias para que possamos ter estratégias a este respeito. Cada presbitério pode plantar um campo por ano, cada sínodo pode contribuir com o planejamento e verbas e cada igreja pode olhar com compaixão para a cidade ao lado e começar um trabalho novo. Conferências podem ser feitas e um verdadeiro avivamento evangelístico pode começar se não nos esquecermos da nossa missão.
Conclamo os queridos pastores, conselhos de igrejas locais e concílios pernambucanos a fazermos algo para a salvação dos nossos conterrâneos. Deus nos livre da negligência e ociosidade ou do “igrejeirismo”, e empreendamos este propósito divino, para única e exclusiva glória daquele que se assenta no trono. A Ele seja a glória, o louvor e o domínio, pelos séculos dos séculos, amém.



Soli Deo Gloria!

4 comentários:

  1. Acho vergonhoso que uma igreja histórica como a presbiteriana se acomode com as igrejas que tem.E não invista no campo missionário em ganhar almas.Os pastores presbiterianos ficam em suas belas casas com seus bons salários enquanto as almas estão indo pro inferno!Eu não quero estar na pele dele no julgamento final!

    ResponderExcluir
  2. Entendo seu descontentamento, mas o objetivo dessa pesquisa foi no intento de traçarmos mais estratégias para viabilizarmos justamente isso, "salvar almas". Não é uma crítica contra ostracismo pastoral ou qualquer outra coisa, mas apenas um simples serviço prestado. Quanto ao julgamento final apenas deixo para Deus, ele julgará a todos nós.

    ResponderExcluir
  3. Não se trata de "se acomodar com as igrejas que tem". Graças a Deus por elas. O irmão quer dizer que lamenta não haver um número maior de igrejas devido à falta da ação missionária que se resume em pregar o Evangelho, como Jesus mandou, dizendo "...ide... e pregai o Evangelho a toda criatura..." Essa ação missionária é dever dos pastores, sim, mas também de todos os salvos. Cada um é um missionário em qualquer lugar, começando em sua casa, seu bairro, sua cidade. O único meio de a Igreja crescer é através da Pregação do Evangelho Bíblico, efetuada por cristãos bíblicos. Escrito por Letícia Siqueira Cavalcante

    ResponderExcluir